Estresse Pós-Traumático

Transtorno de Estresse Pós Traumatico

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático(TSPT), também chamado de Perturbação de Estresse Pós-Traumático, nada mais é que o medo constante, quando o individuo está sempre apreensivo e extremamente perturbado por achar que algo de ruim irá acontecer.

A pessoa que é afetada pelo transtorno, está sempre revivendo momentos de dores e angustia sentidas por ela anteriormente, ou até mesmo ter pesadelos com essas situações.

Uma situação traumática com serio risco de morte por exemplo, pode não ter sido vivido diretamente pela pessoa, mas sim por uma familiar da mesma, mesmo assim ela pode ser afetada e ficar traumatizada. Após isso, o medo intenso, desamparo, ou horror vivido na hora, ou após o evento passam a perturba-la.

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático afeta cerca de 9% dos seres humanos durante suas vidas, até mesmo na infância. Menos da metade dessas pessoas passam pelo transtorno durante 12 meses, a maioria das pessoas que vivenciam, ou testemunham uma situação traumatizante, como um acidente de carro ou qualquer outro tipo de violência, desenvolvem a Perturbação do Estresse Pós-Traumático.

Esse transtorno pode durar mais de um mês, chegando aos incríveis seis meses e pode afetar qualquer pessoa, independente da faixa etária, sexo, ou histórico de doenças. Geralmente, aparece dentro de três meses após o ocorrimento da situação. Na maioria dos casos, o sintomas pode desaparecer após alguns meses, se a pessoa receber o auxilio e tratamento adequados.

Em alguns casos, os sintomas irão deixar rastros negativos na vida do individuo, possivelmente até o fim da mesma. A constância desses sintomas pode variar e a intensidade também, por exemplo: o paciente pode não ter sintoma algum por vários anos, mas de uma hora para outra, uma situação pode desencadear a síndrome novamente.

Baixo tiramos mais algumas dúvidas sobre esse distúrbio que a sola milhares de pessoas mundo afora. Veja:

Como avaliar a gravidade do Transtorno Pós-Traumático?

Não se deve julgar um trauma somente pela gravidade da situação. Pois, a pessoa que viveu o certo evento é a escala mais importante e precisa. Precisamos ver como a pessoa encarou o evento para avaliar o trauma. Por exemplo, uma vitima de acidente automotivo pode ficar com apenas uma memoria ruim do incidente, já outra que sofreu o mesmo acidente pode ficar traumatizada e nunca mais querer colocar o pé novamente em um carro, ou moto.

Quais são os sintomas do Estresse Pós-Traumático?

A maioria das pessoas revivem a situação traumática por meio de lembranças frequentes, os pesadelos também são comuns. Em alguns casos, o individuo revive o momento como se estivesse acontecendo novamente, e não por simples memorias do ocorrido. Por exemplo, o som de rojões na virada do ano, podem desencadear flashbacks, fazendo com que ela busque imediatamente abrigos, ou até mesmo se jogue no chão assustada, perdendo completamento a noção de onde está.

Muitas vezes, o paciente pode experimentar dores emocionais/físicas quando exposto no evento originário do trauma.  Estes podem ser, aniversários, ver uma arma de fogo após já ter sido vitima de assalto, etc.

Estresse pos traumatico

Reviver o trauma

O individuo sente um forte desejo de reviver ou viver a situação traumatizante. Constantemente é invadido por memorias de ruídos, sensações e cheiros. Os pesadelos também são comuns e a levam para uma realidade de angustia. Estes sintomas causam grande dor e sofrimento para a pessoa, em que emoções se misturam.

Evitar o trauma

Lembrar do trauma gera angustia e tristeza profunda. Algumas pessoas tendem a evitar qualquer situação que possa lembrar a situação traumática, de longe ou de perto. O que fica na memoria é os sentimentos, pensamentos e o que fizemos durante o evento, desse modo pode correr que alguns familiares ou amigos estejam associados ao trauma, já que a pessoa pode ter pensado neles no momento crítico.

Em alguns casos, não há apenas uma evitação do trauma, mas também ima insensibilidade emocional em relação as pessoas e comportamentos que esteja associados ao trauma. O paciente tenta a todo custo evitar situações que possam gerar fortes emoções, como brigas, relacionamentos, entre outros. Esse tipo de comportamento é uma maneia de tentar sobreviver ao terror que foi experimentado na ocasião. Situações parecidas são vivenciadas por soldados que estiveram em gueras, ao voltar para casa, tendem a se isolar, ocasionado sofrimento para si e para os familiares que já não reconhecem o ente querido.

Insegurança

A sensação de que algum familiar ou amigo está correndo risco de vida fica intimamente ligado ao paciente. A confiança na vida é inteiramente abalada. Certezas não existem mais. A pessoa estará sempre atenta pra evitar qualquer situação de perigo, prevenir é melhor do que remediar. Esse tipo de abordagem coloca o individuo em estado de alerta, o que o esgota de forma física em mental.

Quais são as consequências do Estresse Pós-Traumático para a pessoa e familiares?

Sofrer com esse trauma é doloroso, nuca mais a  vida do paciente será mesma. A TSPT, pode ter um impacto forte na qualidade de vida do individuo, atrapalhando assim seus relaciona familiares, amorosos e profissionais do mesmo. Além de tudo isso, ainda há outros problemas relacionados o distúrbio, como depressão, ansiedade, e o abuso de drogas licitas ou ilícitas.

Estresse Pós-Traumático na infância

Crianças também podem sofrer com a TSPT como resultado de violências sexuais, acidentes, ou morte de familiares e amigos. Os sintomas são basicamente os mesmo que se manifestam em adultos.

Quanto ao tratamento?

O tratamento para crianças é feito através de terapias coletivas, onde elas estão tranquilas para socializar com outras crianças. Os medicamentos também são de grande ajuda, podem controlar sintomas associados ao Estresse Pós- Traumático, como depressão, insonia, assim por diante. O mais importante é sempre dar o auxilio emocional que ela tanto precisa, como ser ouvida, encorajada e poder compartilhar suas emoções com seus familiares. Dessa maneira é mais fácil ela se recuperar voltar a um estado de vida normal.

Esse transtorno muitas vezes é deixado de lado e não é tratado com a atenção merecida, devido as dificuldades do mesmo. As consequências a longo prazo para o paciente e as pessoas que o cercam são, na maioria das vezes, devastadoras.

Transtorno de Estresse Pós-Traumático tem cura?

Em alguns casos os sintomas não são reconhecidos como sintomas do distúrbio pós-traumático e o tratamento não é o adequado. Porém, quando o diagnostico é feito da maneira certa e o tratamento é bem aplicado, a situação tende a se estabilizar. Cerca de 50 a 65% das pessoas que sofreram algum trauma conseguem se recuperar logo no primeiro ano, e cerca de 10 a 20% fiam incapacitados por vários anos. Mas, com o tempo e com o apoio apropriado com o paciente, uma boa recuperação é sim possível.